segunda-feira, 29 de outubro de 2012

Persiste

Se você é capaz de manter sua calma quando todo mundo ao redor já a perdeu e te culpa; se você conseguir acreditar em si mesmo quando todos estão duvidando, e para esses no entanto achar uma desculpa

Se você é capaz de esperar sem se desesperar ou, enganado, não mentir ao mentiroso; ou sendo odiado, sempre ao ódio se esquivar, e não parecer bom demais, e nem pretensioso

Se você é capaz de pensar sem se iludir, e de sonhar, sem fazer dos sonhos teus senhores; e se você, encontrando a Desgraça e o Triunfo, conseguir tratar da mesma forma a esses 2 impostores

Se você é capaz de, entre a plebe, não te corromper, e entre reis, não perder a naturalidade; e defender seus amigos, sejam bons ou maus, se a todos puder ser de alguma utilidade

E, se você é capaz de arriscar, numa única aposta, tudo o que já ganhou em toda a sua vida; e mesmo se perder, sem nunca dizer nada, de cabeça erguida tornar ao ponto de partida

Então, você deveria ter orgulho disso! 

Vivendo ao máximo, forçando todos os seus membros, coração, nervos, músculos, tudo!

Seja o que for, sempre dar toda sua força que ainda existe, e seja o que aconteça, você continuar, mesmo exausto e, contudo, irá restar a vontade que ainda te ordena: Persiste!!

Se você é capaz de dar, no minuto fatal, segundo por segundo, todo seu valor e brilho

Então persiste, busca o melhor do teu orgulho!!

- - - - -

Texto baseado no poema "If", de Rudyard Kipling

quarta-feira, 17 de outubro de 2012

Arte Obscura

“O mundo não é separado entre os cegos e os não cegos. A fotografia não é exclusividade de quem pode enxergar. Nós também construímos imagens interiores”. 

Quem afirma isso é Evgen Bavcar, fotógrafo, filósofo e cineasta. Nascido na Eslovênia, Bavcar ficou cego aos 12 anos de idade em dois acidentes. Ele perdeu a visão do olho esquerdo quando foi perfurado por um galho de árvore. O olho direito foi afetado durante a explosão de um detonador de minas com o qual ele brincava. 

Em 8 meses, ele havia perdido a visão completamente. 

Por volta dos 17 anos, Bavcar conheceu a fotografia através de sua irmã, que lhe emprestou uma câmera fotográfica para que ele fotografasse uma menina do colégio por quem era apaixonado. 

Desde então, ele afirma ter descoberto uma forma de exteriorizar suas imagens interiores e comunicar-se com os outros. Sem precisar enxergar.

Bavcar vive em Paris e viaja o mundo, mostrando às pessoas que a imagem não precisa ser explicitamente visual. 

Ele afirma: “O teu horizonte é ate onde você pode ver. Se você vê com as mãos, logo o teu horizonte é até onde você pode tocar”.

Sempre causando polêmica por onde passa, Bavcar não se intimida diante daqueles que não admitem que um cego possa fotografar. Para a execução das suas fotos, ele conta com a ajuda de sua irmã, e usa técnicas desenvolvidas ao longo de anos. 

Entre algumas características do seu trabalho, destaca-se a composição da luz em contraste com ambientes totalmente escuros.

A visão é tida como um sentido necessário para que a imagem seja captada e avaliada tanto na antecedência como na conseqüência do ato fotográfico.

Mas a arte fotográfica de Evgen Bavcar é atravessada pela cegueira física do fotógrafo. Suas fotografias rompem um padrão de “visualidade concreta” relacionada à imagem. 


Em suas obras, existe outro tipo de visibilidade: uma que é ligada a seus desejos (a garota pela qual se apaixonou, por exemplo).

A fotografia, em seu surgimento, posicionava o fotógrafo como um observador agudo e isento, como se fosse um escrivão, não um poeta. 


No entanto, logo tornou-se claro que não existia apenas uma atividade simples e unitária denominada “ver” (registrada e auxiliada pelas câmeras), e sim uma “ visão fotográfica”, constituída além do sentido puro da observação.

Em suas fotografias, Bavcar reitera um papel de fantasia criada por sua imaginação. Sua cegueira não o impede de possuir uma estrutura representativa nem de sentir o ambiente em todas as suas dimensões, e o permite criar suas obras sem se fiar a concretização de uma técnica especializada. A ausência do sentido da visão física não retirou do fotógrafo o lugar da visão “ficcional” e nem devorou seu olhar.

Em Janela da Alma (2002), Bavcar afirma que não devemos falar a língua dos outros e nem utilizar o olhar dos outros, porque nesse caso existimos através do outro. É preciso tentar existir por si mesmo.



- - - - -

Segue abaixo algumas de suas obras:



 
 
 

 



 





sexta-feira, 5 de outubro de 2012

Qual a Diferença Entre Ateus e Agnósticos?

Ateus e agnósticos. 

Ainda existe muita confusão em torno desses dois termos, justamente pelo fato desses conceitos serem discutidos sob perspectivas diferentes, o que acaba gerando diversas dúvidas e incertezas sobre o assunto.

Existem alguns requisitos pra se chegar a uma resposta satisfatória sobre o que seria ateísmo ou agnosticismo. A pergunta cuja resposta implica em ateísmo se refere a crenças, enquanto a pergunta cuja resposta implica em agnosticismo se refere a conhecimento.

Uma pessoa não pode ter um conhecimento através de uma crença (pois uma crença não é um conhecimento verdadeiramente justificado). 

Então, é natural que existam interpretações conflitantes para cada termo.

O ateísmo se refere a uma questão teológica (uma relação subjetiva com uma divindade superior); ao passo que o agnosticismo é pautado por uma questão epistemológica (sobre a possibilidade ou impossibilidade de se provar a existência de Deus através do conhecimento).

Um ateu afirma que não acredita em Deus, mas não se preocupa em descobrir qual a probabilidade de se haver ou não um ser superior, ou seja, ele apenas discorda da afirmação: “Deus existe”.

Embora existam relatos de povos primitivos que não acreditavam em nenhum Deus, a expressão ateísmo (que significa, em grego, a negação de Deus) foi cunhada no final do século XII, na época da Inquisição.

"Pode-se afirmar que o ateísmo é subproduto da Inquisição. Quando a Igreja Católica quis suprimir toda e qualquer dissidência, seus métodos inquisitoriais levaram à formação de um judaísmo clandestino e às primeiras declarações de ateísmo na Europa", afirma Armando Araújo Silvestre, cientista da religião da Universidade Presbiteriana Mackenzie.

Ateus não precisam necessariamente declarar que Deus não existe, eles apenas não tem crença na sua existência. 

O senso comum diz que o agnóstico é uma pessoa que não acredita nem desacredita na existência de Deus, ao passo que ateu é quem desacredita. Isso faz com que o agnosticismo pareça um posicionamento mais razoável que o ateísmo. 

A Enciclopédia Britânica descreve que o agnosticismo "é a doutrina que afirma que não podemos conhecer nada além dos fenômenos da experiência, incluindo Deus.

Resumindo: enquanto o agnóstico sente falta de provas que validem uma existência divina, o ateu nega a existência de Deus sem dispor de nenhuma comprovação.

quinta-feira, 4 de outubro de 2012

Inércia Política

O conformismo é uma atitude que todos temos, sejamos gestores, executivos, bancários, marketeiros, açougueiros, policiais, advogados ou vendedores de cachorro-quente. Mas na política brasileira, todos se conformam com a inércia.


O conformismo político é lei no Brasil, sem exceção à regra.

Ações contra a política brasileira como manifestações sociais, greves sindicais, protestos e ameaças de morte; elas têm um efeito inútil. 

Essas ações duram o tempo de apenas criar um alardezinho na sociedade, pra depois serem encobertas e manipuladas pela mídia. 

O que for conveniente fica. O resto vai pra debaixo do tapete, caindo em esquecimento. 

Durante suas campanhas pedindo votos na TV, deputados usam fantasias e perucas em vídeos (e enquanto isso eles falam e gesticulam com bonecas e fantoches, como num show de mágica infantil). Outros políticos sem nenhuma noção discursam em campanhas auto-promocionais levantando peso e usando uma gravata bizarra.

É ridículo.

Império da Burocracia


Pra se aprovar uma lei no Brasil, por exemplo, é necessário se passar por 16 fases, todas elas podendo durar meses, anos ou até mesmo décadas (veja aqui: http://goo.gl/zQIbkf). 

No reino da política nacional, a burocracia triunfa.

Políticos brasileiros não lutam pelo conforto e bem-estar dos cidadãos. Eles acreditam que, com sua moral, podem fazer a diferença na sociedade, apenas por terem o poder suficiente pra fazerem isso. Mas eles não fazem diferença alguma. 

Os políticos brasileiros, quase generalizando, não sabem o que é empatia, muito menos ética.

Então, que tipo de moral esses "profissionais" têm? 

Não estou dizendo que toda e qualquer pessoa que ocupe um cargo político seja ladrão, desonesto ou antiético. Estou dizendo que eles não fazem questão de se importar com isso. 

Eles mostram se importar com o povo apenas até chegar onde querem (no alto escalão do poder), e depois conservam essa autoridade com ações que não fazem nenhuma diferença concreta na sociedade; mas essas mesmas ações inúteis os mantém em seus cargos, com suas confortáveis regalias. 

O trabalho político não é feito, é apenas conveniado. Não há um sacrifício pelo povo. 

Minha percepção é que as ações do governo atrasam, em vez de transformarem a vida das pessoas e melhorar a qualidade de vida. 

Se existem políticos honestos (aqueles que trabalham tranquilos, de cabeça erguida, que batalham em prol dos direitos humanos)...... ninguém mais sabe quem eles são. 

O povo nada em pequenas braçadas num mar político onde as ondas são mentiras e a maré é a corrupção. 

Políticos que se doam pelo povo. Esses ninguém mais sabe quem são. 

E uma hora, nós vamos nos conformar que eles não existem mesmo. 

Não existem no Brasil. 


segunda-feira, 1 de outubro de 2012

Ansioso

Faltava pouco, faltava tão pouco pra hora chegar!!
Mas pro ansioso esse tempo não vinha, parecia uma infinidade, um pesar 

O ansioso já não vê a hora
O ansioso aguarda, ele anseia pela chegada do controle que anestesia a ansiedade
Essa espera é uma constante, o incomoda de verdade

Agora falta bem pouco pra hora chegar
Falta tão pouco, e a cabeça do ansioso parece que vai explodir, se desintegrar 

A ansiedade aciona o pino da granada 
Na mente ansiosa, uma explosão está para ser acionada 

Boom!

Aquela ansiedade de louco, torturante e resistente
Gostoso mesmo é quando a hora chega e a satisfação se faz sentir, finalmente

Vem uma calma, e ela acostuma na mente
Mas pro ansioso, essa tranquilidade não rende

O ansioso não gosta de esperar
Ele odeia aquele inesperado que incomoda 

O ansioso fica tentando prever o imprevisível, o amanhã tão distante
Ele fica tentando ter um conhecimento de um futuro ignorante



Inúmeras precipitações causadoras de preocupações que residem em mentes inquietas
Ansioso tenta esperar por um ideal de perfeição que não existe, é ilusão

Pro ansioso, existe apenas a espera que torna o futuro menos claro e mais distante
Bem distante, lá longe até onde o ansioso deseja ver, mas não consegue enxergar

Ás vezes, o tempo para o ansioso parece uma eternidade de preocupações e expectativas 
Ás vezes, existe o desejo de prever o amanhã, um futuro que confunde as perspectivas

Ás vezes, é melhor não desejar que o amanhã se torne realidade
Melhor não esperar tanto das coisas, isso alivia a ansiedade 

Pro ansioso, uma dose de pessimismo e outra de desapego pode ser saudável, conveniente 

Uma dose que seja:

1/2 dose de pessimismo com o efeito colateral da crua realidade
1/2 dose de desapego com o efeito de transformar desejo em saciedade

Ás vezes é melhor se preparar para o pior
Muitas vezes é melhor não esperar tanto das coisas

Ansioso, isso alivia a ansiedade